TVTEC Blog | http://tvtecjundiai.com.br/tvtecblog

TVTEC Blog com Pedro Fávaro Jr.
14
maio 2018

Treino, ferramenta que levou um acrobata de Jundiaí ao Cirque Du Soleil

Leia mais Entrevista

Pedro Fávaro Jr.

O sucesso faz bem. Entrevistei para as Redes Sociais e o jornal da TVTEC o atleta acrobático de Jundiaí, Renato Queiroz, que aos 25 anos agarrou de vez o seu sonho de trabalhar no Cirque de Soleil, após anos de batalhas.  Quando digo que o sucesso faz bem, apoio a afirmação na velocidade como a entrevista, depois de postada no Facebook, atingiu mais de 15 mil visualizações e teve mais de 80 compartilhamentos e muitos comentário positivos, de incentivo, apoio e felicitações. Então, reproduzo o texto da reportagem com a nossa conversa.

Pular, saltar, fazer manobras precisas e difíceis no vazio e ser feliz com esse trabalho! Isso nunca foi problema para Renato Queiroz, de 25 anos, nascido e criado em Jundiaí, a maior parte da vida no eixo Norte da cidade, pelos lados da Vila Hortolândia.  Aliás, esse trabalho sempre foi o sonho de Renato. Por essa razão, a altura nunca foi obstáculo para ele, porque o foco sempre foi participar dos espetáculos do Cirque Du Soleil, a maior e mais famosa companhia de acrobacias artísticas do mundo. Antes, pensou em ser ginasta olímpico, mas quase desistiu de tudo.

Agora, nesse maio de 2018, Renato deu mais um salto preciso, desta vez um mortal duplo escarpado na vida, e foi para a Bélgica, de contrato assinado com seu sonho onde já desembarcou. Agora a realidade é que ele faz parte do Cirque du Soleil! Antes de ir, deu uma entrevista cheia de otimismo, felicidade e do realismo daqueles que nunca param na lamentação – mas que sabem onde querem chegar e como fazer o caminho. Leia a entrevista abaixo.

Como você fez para transformar aquilo que sempre foi seu sonho numa realidade concreta? 

Procurei maneiras de aprender o que queria. E encontrei em Jundiaí, com o professor Xavier. Treinei com ele. Paralelamente aos treinamentos, fazia algumas apresentações como palhaço para me defender. Com acrobacias, em eventos pequenos da cidade. Foi aí que percebi que daria para ser não só um ginasta de competições que fazia tudo certinho, mas também que podia ser um performer.

 A partir dessa percepção, como você reagiu? Foi mais tranquilo?

O sonho foi evoluindo. Quando comecei na ginástica artística, eu achava que ia ser das Olimpíadas, que conseguiria representar o Brasil, a seleção brasileira, mas acabei mudando da ginástica artística para o trampolim, onde cheguei no nível mundial. Participei do campeonato mundial de 2015. Fui bem sucedido, mas pensei que por falta de patrocínio, falta de incentivo, falta de estrutura, era melhor parar com o esporte e me dedicar somente ao circo, às acrobacias.

Por qual motivo focou mais nas acrobacias, no circo?

O trampolim acrobático se encaixava melhor no meu gosto, na minha aptidão, no que eu conseguia fazer. Fui evoluindo nessa parte. Fui para a Itália, morei lá por um tempo, fiz uma escola de circo para me formar. No circo não tem só acrobacias. Tem dança, interpretação e na escola você aprende tudo isso, mais acrobacias e outras modalidades de atividade.

 Fazer esse circo, na Itália, consolidou seu pensamento?

Na Europa, as coisas mudaram. Apareceu uma oportunidade de ir para a Dinamarca, estudar numa escola muito boa, chamada Olerup – escola de ginástica que forma atletas e professores. Você aprende a ensinar e treina muito. Nos seis meses que fiquei lá, treinei muito mesmo. Evolui mais de 300% do nível que cheguei lá. Arrumei dois contratos de trabaho, na Holanda e na Finlândia, e acabei conseguindo o teste no Cirque du Soleil.

 Agora está indo trabalhar depois de ter passado no teste?

Não. Fui chamado para fazer um treinamento primeiro. E as coisas continuaram a acontecer. Uma loucura!

 Como você descreve essa loucura?

Não tem como descrever a não ser dizer que foi o sonho que se realizou. É o único modo de expressar o que eu sinto de verdade. A gente tenta sempre muito. Tenta tanto… E quando você vê de fora pensa que é alguma coisa tremendamente impossível. Não é. Eu avalio que aconteceu naturalmente. Porque nunca parei de treinar. Todos os dias eu treinava. Houve um tempo que vivi praticamente só para treinar. Eu acabei colhendo o que plantei. A gente só consegue colher o que planta. Costumo dizer que quanto mais você treina, mais sorte você vai ter.

Jundiaiense vai se apresentar com o Cirque du Soleil

O jundiaiense Renato Queiroz está realizando um sonho de longa data: ele vai trabalhar no Cirque du Soleil, a mais famosa companhia de acrobacias DO MUNDO! 🤹‍♂️ Vem com a gente conhecer a história dele. 😉 #TVTEC #CirqueDuSoleil

Publicado por TVTEC Jundiaí em Sexta, 11 de maio de 2018



Quem já participou (2)

Deixe seu comentário preenchendo os campos abaixo

Os comentários são moderados, e mensagens ofensivas serão removidas.

Os campos marcados com * são de preenchimento obrigatório. Seu endereço de e-mail não será publicado.

Link original: https://tvtecjundiai.com.br/tvtecblog/2018/05/14/830/

Apoio